Foto: Isabel Mourão
[Imprimir]

A 5 dezembro 2016 realizou-se na UTAD uma Aula Aberta por Isabel Mourão do Centro de Investigação de Montanha (CIMO), Escola Superior Agrária, Instituto Politécnico de Viana do Castelo, como o tema Mulheres, Agricultura Biológica, Família e Outras Margens, onde foram apresentados os desafios e o trabalho no âmbito de um projeto na Guiné-Bissau.

As mulheres na Guiné-Bissau são a força de trabalho para alimentar a família, asseguram o crescimento dos filhos, dão apoio à família alargada, são companheiras, transmitem alegria e procuram conhecimento. Na Guiné-Bissau, o Projecto EuropeAid/135776/DD/ACT/GW – Kópóti pa cudji nô futuro” – Agricultura, Saúde e Desenvolvimento, da responsabilidade da ONG VIDA – Voluntariado Internacional para o Desenvolvimento Africano, tem por objetivo geral, melhorar as condições de vida das famílias das mulheres agricultoras de S. Domingos, promovendo o aumento do rendimento, a diminuição da insegurança alimentar e o emprego jovem. Os objetivos específicos são: aumentar a produção e consumo de produtos hortícolas e de arroz nas áreas de Suzana e Varela; melhorar a rede comercial de produtos hortícolas na região de forma a aumentar o rendimento das agricultoras; capacitar quadros técnicos agrícolas e promover uma rede de I&D agrícola.

Isabel Mourão é parceira deste projeto na área da horticultura e da formação de técnicos onde os objetivos do 7º Programa Geral de Ação da UE para 2020 em matéria de Ambiente, resumem-se a “Viver bem, dentro dos limites do planeta, que é orientado pela seguinte visão a longo prazo: Em 2050, vivemos bem, dentro dos limites ecológicos do planeta. A nossa prosperidade e a sanidade do nosso ambiente resultam de uma economia circular inovadora em que nada se desperdiça e em que os recursos naturais são geridos de forma sustentável e a biodiversidade é protegida, valorizada e recuperada, de modo a reforçar a resiliência da nossa sociedade. O nosso crescimento hipocarbónico foi há muito dissociado da utilização dos recursos, marcando o ritmo para uma sociedade global segura e sustentável”.

A autora sublinha que “sendo este o caminho, estes objetivos coincidem com: Os princípios da Agricultura Biológica! Os sonhos das Mulheres e das Famílias! E beneficiam esta e as Outras Margens! E cita Filipa Zacarias, ONG – VIDA, Moçambique, 2016: O mundo é redondo e gira, porém o acesso às oportunidades não é equitativo. Ciclos de riqueza e pobreza tendem a se estabelecer e agravar por inércia (ou omissão). Para ultrapassar a armadilha da pobreza é preciso empreender esforços deliberados nesse sentido.

Nota Biográfica

Isabel de Maria Mourão é licenciada em Engenharia Agronómica pelo Instituto Superior de Agronomia/UL, em 1983, mestre em 1989 pela Univ. Bath (Reino Unido) e doutorada em 1995 pela Univ. Reading (Reino Unido). Desempenha as funções de professora coordenadora da Escola Superior Agrária de Ponte de Lima, do Instituto Politécnico de Viana do Castelo, desde 1997, onde iniciou em 2008 o curso de mestrado em Agricultura Biológica, que coordena. É membro do Centro de Investigação de Montanha e foi presidente da Associação Portuguesa de Horticultura. Foi co-autora e coordenadora dos livros “Manual de Horticultura no Modo de Produção Biológico”, 2007 e “Horticultura Social e Terapêutica – Hortas Urbanas e Atividades com Plantas no Modo de Produção Biológico”, 2013. Foi co-autora do livro “Uma Horta em Casa – Como cultivar plantas hortícolas, aromáticas e flores comestíveis, à janela, na varanda ou no terraço, em modo de produção biológico”, 2015. É ainda co-autora de vários artigos científicos em revistas e proceedings, nacionais e internacionais, de capítulos de livros, de artigos técnicos e estudos. Coordenou e participou em diversos projectos de I&DT e serviços especializados. Tem desenvolvido a sua atividade de investigação nas áreas de horticultura, ecologia, fisiologia e nutrição vegetal, agricultura biológica e horticultura social e terapêutica.