foto: Projeto Dourotur: dezenas de investigadores medem o pulso ao turismo do Douro
[Imprimir]

A UTAD realizou, no passado dia 11 de janeiro, a apresentação pública do Projeto Dourotur – Turismo e Inovação tecnológica do Douro, reunindo no ato muitos convidados entre diferentes agentes sociais do turismo na região duriense. Foram prestados todos os esclarecimentos e gerou-se um animado debate sobre o grande potencial turístico do Douro e as expetativas deste projeto, cumprindo-se o objetivo central do evento: envolver os agentes sociais, empresariais e turísticos da região do Douro, de forma a torná-los potenciais participantes deste projeto de investigação, bem como conhecer e organizar melhor o conhecimento sobre o turismo no Douro, de forma a partilhar este saber científico com todos os agentes turísticos.

O CETRAD/UTAD, responsável pelo Dourotur, implicou no projeto uma vasta equipa multidisciplinar de 40 investigadores e 10 bolseiros, com um financiamento de 700 mil euros. Todos eles irão trabalhar, nas áreas das ciências sociais, economia, antropologia, gestão e turismo, para potenciar o Douro como destino turístico, ajudando-o a crescer de forma sustentável. Assim, fazer um diagnóstico ao turismo na região, conhecendo a oferta e a procura que existe, os impactos sociais, ambientais, culturais e económicos, o uso das novas tecnologias por parte dos agentes, etc., será o ponto de partida para os trabalhos.

São quatro as linhas de investigação contempladas: 1 – A oferta e a hospitalidade turística do Douro; 2 – A imagem, a comunicação e os relatos turísticos do Douro; 3 – A procura turística e os efeitos do turismo no Douro; 4 – O marketing digital turístico e as novas tecnologias no Douro.

Xerardo Pereiro, coordenador do Dourotur, mostra-se esperançado nos bons resultados do projeto. Em declarações à imprensa, realçou o propósito de «estabelecer parcerias, confiança com empresários, políticos, técnicos, postos de turismo, para que seja possível criar um espelho que nos ajude a refletir melhor sobre o turismo, de forma sistemática e também que os ajude a orientar o futuro e criar estratégias, programas, projetos para definir que turismo queremos no futuro».