[Imprimir]

A Fundação para a Salvaguarda e Valorização do Vale do Côa ganhou nova dinâmica com a mudança dos seus Estatutos e a constituição da nova Comissão Diretiva e do Conselho Consultivo. Neste novo figurino, foi reformulado o quadro de financiadores e reforçada a articulação das áreas da ciência, tecnologia e ensino superior com a cultura, economia, turismo e ambiente.

Um aspeto central foi o maior envolvimento de instituições do ensino superior, com destaque para a UTAD e a Universidade do Minho. Assim, estas instituições passaram a integrar os Conselho Consultivo e Científico, sendo a UTAD representada, respetivamente, pelo Vice-Reitor Artur Cristóvão e pelo Professor Domingos Lopes.

Na reunião do Conselho Consultivo realizada no passado dia 3 de dezembro, o Presidente do Conselho Diretivo expôs algumas das iniciativas já realizadas, tendo destacado a aproximação aos municípios do território, a articulação com instituições regionais e nacionais, como os Museus do Douro e de Serralves, a integração em redes europeias, a organização de uma exposição itinerante, a apresentação de várias candidaturas para financiamento de projetos e a realização de um Simpósio Internacional comemorativo dos 20 anos de classificação das gravuras como Património Mundial.

É de ressaltar que em 2018 o Museu e as gravuras deverão alcançar cerca de 50.000 visitantes, verificando-se também um acréscimo significativo das receitas próprias.