[Imprimir]

Tiveram lugar na UTAD, nos dias 27 e 28 de setembro, as XXII Jornadas Internacionais de Medicina Veterinária, um evento que reuniu especialistas nacionais e internacionais em torno de dois temas centrais: a geriatria em animais de companhia e a medicina em animais exóticos e selvagens.

Os trabalhos decorreram em dois auditórios, onde foram abordados, setorialmente, ambas as temáticas. A geriatria em animais de companhia, enquanto preocupação crescente na sociedade moderna em que a velhice dos animais vem merecendo melhores atenções e cuidados, foi abordada pelos médicos e investigadores Ana Luísa Lourenço, Artur Varejão, Joana Sousa, Ângela Martins, Javier Engel Manchado, Rodolfo Leal, Carlos Viegas e Felisbina Queiroga. A nutrição do cão e do gado sénior, as novas soluções para a reabilitação geriátrica, os novos desafios da cirurgia em “velhos pacientes”, o risco da anestesia geriátrica, as desordens músculo-esqueléticas, o maneio em pacientes cardíacos, as doenças renais crónicas em animais na velhice, as quimioterapias, entre outros problemáticas, estiveram em debate nos dois dias das jornadas.

Por sua vez, a temática da Clínica e Medicina da Conservação de Animais Exóticos e Selvagens mereceu atenção dos especialistas Isabel Pires, Irina Varela, Miguel Oliveira, Teresa Fernandes, Cátia Nunes, Enrique Gonzalez, Xavier Valls, João Loureiro, Rodrigo Serra e Ricardo Brandão. Das problemáticas abordadas, destacaram-se a medicina forense em animais exóticos e selvagens, a controvérsia da conservação das espécies, o papel desempenhado por um médico veterinário clínico de animais exóticos, a imobilização e anestesia de animais de Zoo, o bem-estar dos animais exóticos em cativeiro, os aspetos legais da detenção de espécies selvagens em cativeiro e o papel do médico veterinário nessa detenção e a realidade atual das espécies exóticas invasoras em Portugal.