[Imprimir]

Rui Silva, docente da Escola de Ciências Humanas e Sociais da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) está a utilizar o conceito de jogo eletrónico (gamificação) para ensinar os estudantes nas unidades curriculares de Contabilidade. A ideia foi desenvolvida “desde o zero” para o projeto de doutoramento e foi testada e utilizada por cerca de 2000 alunos de várias Universidades e Institutos Politécnicos em Portugal.

O “AccountinGame” está  disponível em www.jogosdegestao.pt e tem sido utilizado por estudantes para testar conhecimentos de Contabilidade no nosso país.  A utilização de jogos em contextos de ensino tem crescido exponencialmente, em diversas áreas, desde o mundo empresarial aos sistemas de ensino, sendo considerado uma forma “tecnológica persuasiva capaz de criar mudanças benéficas de atitude nos seus utilizadores, essencialmente ao nível motivacional”, explica o autor da plataforma.

Os resultados do “AccountinGame” mostram que a motivação para o estudo, o número de horas de estudo, a concentração, a atitude, a aprendizagem percebida e a autonomia aumentaram nos estudantes que utilizaram o jogo.
Apesar de os jogos educativos terem sido já testados em disciplinas como a matemática, a informática, engenharia, história, ciências sociais, geografia ou línguas, na área da Contabilidade, e não obstante a existência de algumas plataformas educacionais, “estas são raras em forma de jogo”. Neste contexto de utilização, a gamificação em geral e os jogos sérios em particular, aplicados em sala de aula pelos docentes, “permite experienciar novas formas de estudar resultantes da aplicação de recursos capazes de serem viáveis e eficazes na promoção da motivação, imersão, atitude e aprendizagem percebida dos alunos do ensino superior de qualquer parte do mundo”, refere Rui Silva.

Neste momento a plataforma está acessível a todos os que queiram testar conhecimentos na área da Contabilidade, mas pode ser alargada a outras áreas, já que a base da plataforma está criada, podendo receber diferentes conteúdos de diferentes docentes e unidades curriculares.

O AccountinGame aguarda agora o resultado do pedido de patente provisória submetido em abril deste ano.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Foto 1: Investigador Rui Silva, junto do AccountinGame

Foto 2: Estudantes a utilizar o AccountinGame em contexto de sala de aula