COVID-19: UTAD parceira no desenvolvimento de novo Biossensor que deteta vírus e anticorpos

Foi aprovado, na segunda edição da call RESEARCH 4 COVID-19​, o projeto ​On-chip testing of SARS-CoV-2  (SARSChip) que vai criar um dispositivo portátil com chips descartáveis para diagnóstico precoce da Covid-19.

Trata-se de biossensor magnético que, de forma rápida e simples irá, não apenas detetar o vírus, através testes moleculares de diagnóstico (análise do material genético recolhido através de zaragatoa), mas também fará testes serológicos, que visam estratificar os pacientes quanto à gravidade da doença e avaliação da imunidade.

Este projeto é liderado pelo INESC Microsistemas e Nanotecnologias, que tem como investigadora principal Verónica Romão, e tem como parceiros a UTAD, através do centro de Testagem COVID-19, a STABVIDA (empresa de Biotecnologia que criou o biossensor Doctor Vida), o Serviço de Patologia Clínica do Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro – CHTMAD, o Serviço de Patologia Clínica do Centro Hospitalar Universitário Cova da Beira – CHUCB, o INL – International Iberian Nanotechnology Laboratory, e o INESC – Investigação e Desenvolvimento, e tem um financiamento de 40.000€.

Para o Reitor da UTAD, Fontainhas Fernandes, “as instituições de ciência e de ensino superior responderam e continuam a responder de forma eficaz aos desafios da pandemia e, de forma discreta, continuam a estar na primeira linha do combate à pandemia no apoio e na procura soluções para os problemas do país”.