[Imprimir]

A Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) associa-se às comemorações dos cem anos da revista “Seara Nova”, promovendo várias iniciativas culturais no seu ecocampus.

A 23 de fevereiro, pelas 16h, será inaugurada a exposição itinerante “Seara Nova – 100 anos de Ação e Pensamento Crítico”, na galeria de exposições da UTAD. Estarão presentes a Pró-Reitora para a Cultura, Comunicação e Imagem, Daniela Fonseca, e o diretor da revista “Seara Nova” João Luiz Madeira Lopes.

Os visitantes vão poder conhecer a história e as motivações que levaram à fundação da revista, os diretores e colaboradores ao longo destes cem anos, a intervenção política, as polémicas que se travaram nas páginas da revista, a memória gráfica. Além desta retrospetiva histórica, a exposição inclui um conjunto de trabalhos plásticos de Jorge dos Reis. “O vosso lápis não rasga o papel” desafia o público a olhar e a refletir sobre os tempos em que a censura vigorou em Portugal. Patente até 21 de março, a mostra pode ser visitada entre as 9h30-17h, sendo a entrada gratuita.

Realizado por Diana Andringa, o documentário “Há 100 anos, a Seara Nova” será projetado a 8 de março no auditório B0.02 do edifício dos Blocos Laboratoriais. No mesmo espaço, o Professor da UTAD Fernando Moreira moderará o colóquio «Seara Nova: 100 anos ao serviço do pensamento crítico e da cultura», a 17 de março. Norberto Cunha, Luís Andrade, António Rafael Amaro e os docentes Daniela Fonseca, Orquídea Ribeiro e Fábio Ribeiro serão os oradores.

Os “cem anos da Seara Nova” estão a percorrer o País, de norte a sul, numa exposição itinerante que dá a conhecer a revista fundada a 15 de outubro de 1921, por Aquilino Ribeiro, Augusto Casimiro, Azeredo Perdigão, Câmara Reys, Faria de Vasconcelos, Ferreira de Macedo, Francisco António Correia, Jaime Cortesão, Raul Brandão e Raul Proença com o desígnio de elevar o País, ética e culturalmente, criando um espaço de reflexão que mobilizasse à ação. Braga, Faro, Setúbal, Évora e Santarém serão os próximos destinos da digressão da “Seara Nova”.

 

Texto: Patrícia Posse