[Imprimir]

Da terra à mesa, há todo um caminho (des)conhecido que vai moldar o futuro da agricultura e da alimentação a nível global. Por isso, Lorenzo Giovanni Bellù, economista da Rede de Prospetiva Estratégica das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO), é o convidado da próxima sessão das “Territory Talks – Conversas sobre o(s) Futuro(s) do(s) Território(s)”, agendada para 15 de novembro.

Nos próximos 30 anos, como é que será o futuro da alimentação e da agricultura em Portugal e no Mundo? Esta é a questão que vai alimentar a discussão, a partir das 18h, em ambiente online e com transmissão em streaming.

Economista sénior do Ponto Focal da Rede de Prospetiva Estratégica das Nações Unidas para a FAO, Lorenzo Giovanni Bellù vai apresentar alguns dados do relatório “Futuro da Alimentação e da Agricultura: Caminhos Alternativos até 2050”.

As incertezas que envolvem as dinâmicas demográficas, a escolha de diferentes dietas, o progresso tecnológico, a distribuição de rendimentos, a disponibilidade dos recursos naturais, as alterações climáticas e até a própria sustentabilidade da paz vão ser fatores decisivos num cenário prospetivo. Neste webinar, far-se-á um exercício de previsão que esboça cenários alternativos e destaca potenciais caminhos para os sistemas alimentares e agrícolas a nível regional, nacional e global.

Com moderação dos investigadores do Centro de Estudos Transdisciplinares para o Desenvolvimento (CETRAD), Luís Ramos e Lívia Madureira, a próxima sessão “Territory Talks” será aberta à participação de todos e gratuita.

 

“Territory Talks – Conversas sobre o(s) Futuro(s) do(s) Território(s)” até 2023

Organizadas no âmbito do 20º aniversário do Centro de Estudos Transdisciplinares para o Desenvolvimento (CETRAD), as “Territory Talks – Conversas sobre o(s) Futuro(s) do(s) Território(s)” procuram traçar uma visão prospetiva dos territórios, pela voz de um conjunto de especialistas.

Até meados de 2023, as “Territory Talks – Conversas sobre o(s) Futuro(s) do(s) Território(s)” vão contribuir para (re)pensar o lugar que os territórios podem e devem ocupar na construção de um cenário prospetivo, desejável e possível para Portugal, à luz dos grandes desafios societais, ambientais e tecnológicos do século XXI (a crise climática e a transição energética, o uso eficiente de recursos e a conservação da biodiversidade, a crise demográfica e a renovação geracional, a transformação digital da sociedade e da economia, a reconfiguração do modelo de globalização e a reindustrialização, os novos modelos para o trabalho e para a mobilidade dos indivíduos e das empresas, a crise da democracia, o futuro da agricultura e da alimentação, entre outros). As “Territory Talks – Conversas sobre o(s) Futuro(s) do(s) Território(s)” serão retomadas no início do próximo ano.

 

Texto: Patrícia Posse