[Imprimir]

Decorreu na UTAD, entre 13 e 16 de novembro, a “9th World Conference on Localized Agri Food Systems (SYAL)”. Esta conferência foi organizada por investigadores do CETRAD e realizada no quadro de ação de duas redes de investigação sobre sistemas alimentares localizados, nomeadamente a Rede SYAL Europa e a RedeSial Americana, esta última envolvendo um conjunto de países da américa latina. 

A Conferência incluiu um programa extenso, composto por três sessões com oradores convidados, oito sessões onde se apresentaram 53 comunicações, uma mesa redonda para apresentação e discussão de sete diferentes projetos nacionais e internacionais, duas visitas de campo – ao Douro e ao Barroso – uma mostra gastronómica e degustação de produtos do outono transmontano, e ainda um programa cultural com visita à Casa de Mateus. 

A Conferência reuniu um total de 73 participantes (oitos dos quais online e 65 presenciais) provenientes de 11 países (Portugal, Brasil, Argentina, Chile, Colômbia, Espanha, França, Itália, México, Suíça e Suécia), com uma maior representação de Espanha, Itália, Colômbia e México. 

A pressão do sistema alimentar sobre os recursos do planeta, a pegada ambiental da alimentação, o desperdício alimentar, a fome e subnutrição, e os problemas de saúde humana ligados à alimentação, foram temas centrais de debate, tendo sido destacada a importância de produzir mais e melhor localmente, fortalecendo os circuitos curtos e as redes alimentares locais, comendo de forma mais saudável e gerando menos desperdício. 

Como grande conclusão dos trabalhos, foi sublinhada a necessidade de colocar as pessoas, o direito humano a uma alimentação adequada e o ambiente no centro do sistema alimentar. Para isso é essencial tornar os sistemas alimentares mais resilientes, com iniciativas inovadoras que partam do diagnóstico dos territórios e permitam chegar a pactos para uma alimentação saudável e sustentável, agregadores de diversos atores e geridos democraticamente.