[Imprimir]

Bragança, Vila Real e Viseu são os destinos da primeira iniciativa de 2023 do Museu de Geologia da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD). Pensada para professores dos diferentes níveis de ensino, esta formação quer dar a conhecer o Roteiro das Minas e Pontos de Interesse Mineiro e Geológico de Portugal.

Queremos divulgar este guia, que existe em papel e está disponível online, junto dos professores de todos os grupos de recrutamento porque há atividades pensadas desde o pré-escolar até ao Ensino Superior, visitas de campo e palestras sobre vários temas para dar a conhecer a geodiversidade local”, refere a diretora do Museu de Geologia da UTAD, Elisa Preto.

Na próxima sexta-feira, dia 13, arranca a primeira formação em Bragança, seguindo-se Vila Real, a 27 de janeiro, e Viseu no dia 3 de fevereiro. No total, prevê-se a participação de mais de uma centena de docentes. Em cada cidade, o programa inclui a apresentação do roteiro e das atividades dos parceiros do respetivo distrito, uma visita de campo, a passagem por uma exposição (“Ocorrências Minerais em Trás-os-Montes” em Bragança; “O Oceano, Berço da Vida e Motor do Clima” em Vila Real e o Museu do Quartzo – Centro de Interpretação Galopim de Carvalho, em Viseu) e duas palestras. As inscrições podem ser feitas online.

“Durante a manhã na ação de Bragança, visitaremos virtualmente o Museu do Ferro em Torre de Moncorvo, o Geopark Terras de Cavaleiros e o Centro Interpretativo das Minas de Argozelo. Em Vila Real, visitaremos o Museu de Geologia da UTAD, o Museu do Volfrâmio de Cerva, o Centro Interpretativo das Minas da Borralha – EcoMuseu do Barroso, o Parque Arqueológico do Vale do Terva(em Boticas) e os Centros Interpretativos das minas de Tresminas e Jales. Terminaremos, em Viseu, com a visita ao Museu do Quartzo”, adianta Elisa Preto.

Desenvolvida em parceria com o Roteiro das Minas e Pontos de Interesse Mineiro e Geológico de Portugal, esta iniciativa do Museu de Geologia da UTAD envolve ainda as Escolas Superiores de Educação do Instituto Politécnico de Bragança e do Instituto Politécnico de Viseu, o Centro de Ciência Viva de Bragança, as Câmaras Municipais de Bragança, Vila Real, Viseu e Vila Pouca de Aguiar, os Centros de Formação da região e o Museu do Quartzo.

 

Texto: Patrícia Posse

Imagens: GCI